• COVER ME SQUASH 2017
  • Francisco Spinola em estagio com selecção nacional

Decorrem as inscrições para o primeiro torneio da época Squashística, desta feita com o importante apoio da marca "COVER ME®”, cujos vários espaços na região são conhecidos pela qualidade dos produtos que comercializa, os quais conferem maior proteção e grande "estilo" a todos os telemóveis e tablets.

As inscrições (sign-up) para o "COVER ME® SQUASH 2017" decorrem até às 23h59 do próximo dia 31 de Janeiro de 2017 através do link https://fns.sportyhq.com/xy9kp , podendo para o efeito participar qualquer atleta filiado na FNS.

A prova decorrerá no court do Hotel Madeira Regency Club entre o final da tarde do dia 2 (quinta-feira) a dia 4 (Sábado todo o dia) de Fevereiro.

Salientamos que o pagamento das inscrições será feito no local da prova e é condição obrigatória para a participação do atleta no torneio, pelo que recomendamos que sejam portadores do valor certo, necessário ao respetivo pagamento.

Endereçamos o convite a todos os simpatizantes da modalidade para que compareçam no Hotel Madeira Regency Club, abrilhantando assim com a V/ presença o arranque da época neste "COVER ME® SQUASH 2017"!

A todos os atletas desejamos um Excelente torneio com muito fair-play!

Read More

Decorre este fim de semana (17 e 18 de Outubro/2015), o Estágio de Observação Sub-17, em Abrantes/Tomar. Orientados pelos nosso Treinadores do Gabinete Técnico Junior Nacional (Paulo Mamede e Susana do Valle), participam neste estágio:

Bruno Gomes (Lisboa Racket Centre)

Francisco Spínola (Madeira Squash Clube)

Guilherme Prata (Squash Colégio de Lamas)

Iara Gonçalves (Anadia Squash Clube)

João Romano ( Escola de Squash do Porto)

Leonardo Durães(SquashRoom)

Mariana Martins (Areias de São João)

Simão Neves (Anadia Squash Clube)

Tiago Leite (Proracket)

Num primeiro dia bastante exigente e trabalhoso, os nossos jovens jogadores corresponderam na integra ao plano de treinos proposto.

Um especial agradecimento ao Barbus - Clube de Squash do Vale do Tejo, pelo empenho na organização deste Estágio.

Esta concentração conta com o apoio da Câmara Municipal de Tomar e do Hotel Segredos de Vale Manso.

Read More

Casos Especiais

Quando um jogador é atingido por uma bola que alcançaria a parede frontal directamente e seria boa, então é Stroke para o adversário; é Let se não houver certeza se seria boa e No Let na certeza de que não seria boa.

- Se o jogador for atingido por uma bola que não alcançaria a parede frontal directamente, é Stroke para o adversário se a bola fosse ganhadora; é Let se a bola fosse boa e sem a certeza de ser ganhadora; é No Let se a bola, sem qualquer dúvida, não fosse boa. Estes dois casos anteriores não se aplicam na situação de segunda tentativa e de rotação (ver mais adiante).

- Se a bola retornar da parede da rectaguarda e o jogador rodar sobre ele próprio antes de apelar, deve ser concedido um Let, excepto se o árbitro considerar que o movimento de rotação foi desnecessário, que é uma situação para No Let.

- Se a bola passar pelo lado esquerdo/direito dum jogador, atingir a parede da rectaguarda e retornar pelo lado contrário sem o jogador efectuar o movimento de rotação fisíca (rotação mental), o árbitro deve decidir de forma análoga ao caso anterior; se a bola não retornar da parede pelo lado contrário deve aplicar-se a linha de pensamento normal.

- No caso de rotação (mental/fisíca) se o jogador acertar com a bola no adversário é Stroke para o adversário. No caso do adversário obstruir deliberadamente o jogador é Stroke para o jogador.

- Quando um jogador tenta golpear a bola e não lhe acerta, se o adversário interferir na segunda tentativa do jogador, deve ser Let, caso ainda conseguisse efectuar uma resposta válida; nesta situação, mesmo que a bola atinja o adversário depois da primeira tentativa falhada continua a ser apenas Let. Este caso não se aplica quando o jogador apenas simula que vai golpear a bola e no último momento não a joga para enganar deliberadamente o adversário; neste caso, e se a bola atingir o adversário quando o jogador a deixa passar, ser-lhe-á atribuído um Stroke; de resto, deve ser aplicada a linha de pensamento normal.

- Quando um jogador é distraído acidentalmente pelo adversário e o apelo é feito antes de golpear a bola, ou se a distracção ocorreu no momento de golpear a bola e interferiu genuinamente na qualidade da jogada, o apelo é considerado: é Stroke se a jogada seria ganhadora; é No Let se o jogador não chegaria à bola ou, chegando, não conseguiria devolver a bola em condições, mesmo sem a interferência; é Let nos outro casos.

- Quando a distracção é causada deliberadamente, o jogador tem direito, no mínimo, a um Stroke, por má conduta do adversário.

- Quando a distracção for causada por um motivo alheio ao jogadores, deve ser atribuído um Let a um apelo realizado por um dos jogadores antes da jogada em curso terminar. O árbitro não deve considerar o apelo quando é feito só depois de terminar a jogada.